quinta-feira, agosto 31, 2006

Experimental

© Vanessa Rodrigues

Exposição, IAB

Sé, cores, rostos, calçadas cinzentas, sorrisos e sombras urbanas. Resultado? Exposição sobre o centro de São Paulo. Mais: convido-vos para a inauguração da minha primeira exposição colectiva fotográfica (cinco autores), a inaugurar no próximo dia 11 de setembro (até dia 25), no Instituto dos Arquitetos do Brasil. A abertura da expo (às 18h) conta com uma mesa redonda sobre "Fotografia, Arquitectura e Paisagem" com o fotógrafo Cristiano Mascaro, entre outros (ver informação adicional). Nesse dia, a galeria estará aberta, até mais tarde.


Divulguem!


Participantes: Ana Cecília, Fábio Mattos, Regina, Alessandra, Vanessa


Workshop fotográfico da Viva o Centro vira exposição no IAB

Fabio Mattos

Participantes do workshop “Passeio fotográfico pelo Centro” em junho. 15 fotos vão para exposição no IAB Como resultado do workshop "Passeio Fotográfico pelo Centro" realizado no final de junho, a Associação Viva o Centro e o Instituto de Arquitetos do Brasil (IAB) realizam exposição com as melhores fotos da caminhada. A mostra abre na próxima segunda-feira (11/9), às 18h, na sede do IAB, com a mesa redonda "Fotografia, Arquitetura e Paisagem. Um percurso pelo Centro de São Paulo".


Onde:
Instituto de Arquitetos do Brasil
Rua Bento Freitas, 306, 4o. andar 01220-000 - São Paulo - SP (11) 3259-6866 (República) http://www.apontador.com.br/bussola/mapaj.php?flag=1
© Vanessa Rodrigues

terça-feira, agosto 29, 2006

© Vanessa Rodrigues

segunda-feira, agosto 28, 2006

© Vanessa Rodrigues
-Segundos apagados de um copo sozinho;
Traços calejados por um gesto cerzido
[de estranhas memórias, castradas de tempo;
e volveres de prazer sensível – talvez demasiado]
como o seu;
o tardio relento do círculo da lua;
saliva doce; amargada depois;
cinzel que molda o corpo violento;
e as tradições sobranceiras [da inveja; da mágoa
e incerteza voraz que hesita];
Seria o bafo de insónia – delicioso assim mesmo!
Seria o espelho baço de humidade de corpos?
Ou assim incenso generoso que se rasga;
[usado pelo ar oxigenado de saliências silenciosas];
nessa calma que adora;
em linguagem sensível de abecedário por cunhar;
no sorriso pessoal, satisfeito por ninguém entender
[ou sequer perguntar];
sim a estranheza; tal como se é!
o cinismo que percorre aquela casa vazia
[a de que falei];
as velas saturadas que ardem até ao fim
[como o livro daquela conversa de amigos];
e o dia estende-se às horas perdidas [inacreditáveis depois];
as horas que passaram por extensão das texturas por sentir;
a saudade e a a falta agora do olhar sussurrado;
e que supor um ensaio seria inusitado;
enche-me assim esse copo vazio;
sem segundos modestos ou apagados vizinhos;
descansa de uma vez no braço selado;
e pede-lhe de novo aquele abraço prolongado.


Por VR

sexta-feira, agosto 18, 2006

quinta-feira, agosto 17, 2006

© Vanessa Rodrigues